Star wars e a falácia pró minorias

Nunca antes a exaltação das minorias esteve tão em pauta, nunca se falou tanto à respeito da inclusão e valorização das mulheres e negros, nunca se falou tanto sobre feminismo, até o ponto de virar moda, até o ponto de que ser “politicamente engajado”, virou de fato um bom adjetivo.

O grande problema é que a moda subverte tudo, e qualquer movimento que cai na boca da maioria, corre o risco de perder a essência, muitas pessoas juntas, muitas interpretações de um mesmo assunto, muitas pessoas distorcendo o ideal de um movimento e o risco de disseminar algo de forma equivocada e este equívoco se tornar verdade, tá ali, é gigantesco: Uma mentira mil vezes contada, se torna sim verdade.

John-Boyega-em-Star-Wars

Eu deveria ter desconfiado quando vi diversos comentários dizendo que era uma época difícil para os preconceituosos, porque estavam lá vários filmes, dentre eles o Star wars, com um negro e uma mulher como protagonistas, como se isso bastasse.

Posso imaginar que quem está por ai vendendo Star wars como um filme pró minorias, certamente não o assistiu , ou assistiu com o senso crítico totalmente desligado.

Logo no início do filme, nos deparamos com um negro que viria a estar presente nas próximas duas horas como uma das personas principais. Já somos apresentados a um sujeito desumanizado tomando água junto dos animais, e nos minutos que se seguem, temos que lidar com um negro desastrado, que não tem domínio de absolutamente nada, só faz cagada, e quando acerta, o faz por acidente. O filme inteiro é possível questionar qual a utilidade daquele personagem, e já que era pra colocar um homem que não acrescenta nada na história, levanta dúvidas sobre o fato de terem colocado um negro que só faz cagadas.

Já ouviram aquela frasezinha nojenta que diz que ” Negro quando não caga na entrada, caga na saída”, não? Pois a sensação que tive ao assistir Star wars e ver um personagem desnecessário para o contexto, burro, atrapalhado, incômodo, ingênuo e inconveniente, era a personificação dessa frase. E pra piorar, ele que durante todo o filme, aparece como par romântico da mocinha, termina sem consolidar o relacionamento amoroso que estava implícito todo o tempo, o que traz a sensação de que por mais legal, atencioso que um negro possa ser, ele sempre estará na friendzone, lambendo os pés da branquinha gostosa, mas no fim, não é digno de firmar relacionamento com ela. Algo que equivale ao ” não sou racista, tenho até amigos negros, mas assumir um negro como relacionamento, ai já é demais, ne?”

Um Desserviço total.

Eis então que nos deparamos com uma mulher no filme, e a ilusão de que as coisas vão ficar boas, vem como um alento, mas dura pouco. Pode até tratar-se de uma mulher acima da média, dessas que dirige naves espaciais, entende diversos dialetos e até é mecânica. Até ai tudo certo. As coisas começam a complicar quando comparamos o comportamento dessa mulher com os demais personagens que ela interage, e é ai que o bicho pega, pois tratam-se na maioria, de caras desastrados, com intelectualidade aparentemente inferior, e nas cenas em que vemos ela lutando com homens, fica implícito em diversas situações que os homens a quem ela está combatendo são tão acéfalos e inúteis que “até perdem para uma mulher”. A sensação que traz é que : ” Certamente para uma mulher ter protagonismo, e ser a fodona numa situação, os caras têm que ser muito fracos”

Não existe nenhuma bíblia do feminismo para traçar um padrão de comportamento feminista, portanto o que sei é baseado em conhecimento empírico, não decidi ser feminista, precisei ser porque não restava outra alternativa.

Creio que o conceito principal do feminismo é exigir igualdade de direitos e oportunidades entre homens e mulheres. Estamos em uma situação em que os homens são privilegiados, um desequilíbrio que afeta a sociedade em um todo. Mesmo desequilíbrio que afetaria por exemplo, caso fossem as mulheres a mais favorecidas socialmente. Acredito portanto, que tanto nas relações, quanto nas interações, homens e mulheres devam andar lado a lado, sem soberania masculina ou feminina, sem relações de hierarquia.

Quando um filme coloca uma mulher supostamente foda como ícone feminista enquanto ela interage com um bando de acéfalos, então fica subentendido que uma mulher só pode ser foda se estiver rodeada de gente intelectualmente inferior a ela, e isso não se trata de feminismo, mas de machismo enrustido. Se querem ressaltar o quanto uma mulher é foda, não é necessário enaltecê-la por fazer coisas socialmente vistas como masculinas, mas sim, colocá-la em posição exatamente igual, com as mesmas dificuldades que um homem, e resolvendo problemas com a mesma assertividade que um homem faz, que é o que já acontece na vida real mas não se comenta justamente pela tradição em menosprezar o público feminino. Pouca gente percebeu uma coisa óbvia, mas salvo situações em que se utilize um pinto para executar uma tarefa, e pelo que me lembre, acontece bem pouco, mulheres e homens têm exatamente a mesma capacidade para fazer qualquer coisa que seja.

Dizer que Star Wars é um filme feminista unicamente porque a protagonista é mulher , é  a mesma coisa de enaltecer uma criança de dez anos porque ela sabe comer sozinha. Não existe nada de excepcional no ato, mas quem faz os elogios exagerados, acredita que isso é suficiente pra fazer uma situação carente de significado, virar exemplo de algo. É como dizer: ” Tá bom, o feminismo tá na moda? Vamos colocar uma mulher como protagonista pra fazer esse povo parar com o mimimi e pronto”, serve de cala-boca, mas não é necessário ser nenhum gênio pra perceber que elogiar uma mulher por fazer coisas ditas como “de homens”  não é indicativo de nada. De quebra ainda estão ganhando uma mega grana às custas do povo que entrou nessa moda e que precisa de qualquer “chupeta” para parar a “problematização.

Legal que estejamos colocando negros e mulheres nos holofotes, fazendo as pessoas se acostumarem com as minorias fora do padrão em local de destaque, fazer com que existam personagens em quem a minoria possa se espelhar, tirar a normatização da pele branca, como se os negros não existissem. Só que a partir do momento em que colocam essas minorias em posição de destaque, mas com comportamentos que remetem a péssimos referenciais, então não trata-se de ajuda, mas de engrossar o coro de uma sociedade que já menospreza e ridiculariza o negro e as mulheres com suas lutas.

Em suma, Star Wars é mais um roteiro fraco, maquiado com efeitos especiais, aproveitando-se do discurso de inclusão super enaltecido atualmente, pra ganhar dinheiro às custas das minorias. Ou seja: Mais do mesmo,  nenhuma ousadia ou mudança na indústria cinematográfica.

 

 

Anúncios

4 comentários

  1. Eu não vi o filme ainda, mas acompanhei nas redes sociais toda a “comemoração” do filme como uma ascensão das minorias, que claramente você apontou como falácia.

    Gostaria de saber se acha que devem fazer mais filmes “feministas” e se achou o Mad Max recente um filme que mostra isso.

    Parabéns pelo texto!

    • Então… Não vou mentir que meu gosto pra filme é um pouco “diferente”. Madmax por exemplo, eu não assisti, e quanto a Star Wars, assisti meio que obrigada. Tenho muitíssima dificuldade pra me entreter com filmes naquele padrão americano cheiosss de efeitos especiais e roteiro fraco, então raramente assisto.
      Eu penso que estamos na moda do enaltecimento às minorias, anti- racismo, anti-feminismo, anti tudo quando é coisa. Eu acho isso maravilhoso. O contratempo disso tudo, é que sempre vão ter os carniceiros que vão tentar tirar algum proveito, então , desde que entenderam que feminismo tá vendendo, tudo virou ícone do feminismo, e tem muita gente consumindo essas pílulas de ilusão em forma de mentira, sem sequer fazer uma análise crítica da situação, e creio que seja esse o caso do filme Star wars e de vários outros filmes que estão aproveitando a moda do pra arrecadar uma graninha,mas de feministas, não têm nada, fazem até um desserviço, o que é bem perigoso numa época em que as pessoas têm uma necessidade cavalar de se posicionarem contra ou a favor de algo, e defendem esses conceitos cegamente.
      Muito obrigada pelo comentário. Beijão!

  2. Bem, StarWars é filme feito para fãs de StaWars. Simples assim e vem com receita pronta: nada de complexidades, que a história seja a mais linear possível, os vilões devem ser cheios de, bem, vilanias. Os heróis devem ser como todos os heróis são: tolos bem intencionados. Não dá nem para dizer que o novo StarWars reciclou o padrão. Não mesmo. Talvez desse algum trabalho e aí preferiram mais do mesmo. Também não entendi a que veio a personagem de John Boyega. Mas tem tanta coisa que eu não entendo! Abraço.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s