E se eu quiser não ter a mesma vidinha medíocre que você tem?

images (1)

” Vinte e nove anos, solteira e sem filhos? Eu no seu lugar estaria preocupada”

E foi depois de ouvir essa frase que rolou uma sinergia entre eu e quem a proferiu, ela preocupada com o fato de eu não estar seguindo o cronograma da minha vida( que aliás, não fui eu quem criei) e eu levemente consternada com a mentalidade limitada da sujeita.

Nunca foi fácil pra nós mulheres, a maioria de nós está a serviço da própria sociedade que nos oprime;

Na adolescência, quando os primeiros sinais do nosso corpo adulto começam a aparecer, já temos uma Multidão de gente ansiosa pelo nosso crescimento:

Todos, homens e mulheres prontos pra nos objetificar, pra nos transformar em bonecas infláveis à mercê da luxúria masculina;

Quando finalmente nos tornamos adultas, então a cobrança se inicia à respeito da nossa vida profissional bem sucedida:

Temos que ser inteligentes, cultas, independentes e ricas…

AH! Sem se esquecer é claro , de que devemos também ser lindas e gostosas, ousemos qualquer uma de nós mulheres , perdemos a compostura, seguirmos nossos instintos, nossas vontades e nos rendermos à gostosura da comilança e seus efeitos. Imediatamente seremos condenadas por nossa falta de controle, por nosso desleixo, por nossa “gordura”;

Mas, caso consigamos passar em todos esses crivos, não pensem que estamos livres não!

As próprias mulheres, tal como a frase que inicia esse texto, tratarão de nos cobrar o padrão de comportamento tão disseminado, tão imposto a nós.

A sociedade nos condena se optarmos pela solteirice, afinal, longe da instituição do casamento, como seremos manipuladas, cerceadas e até mesmo escravizadas por nossos maridos?

A sociedade nos condena  se temos filhos e não somos bem sucedidas em educá-los e transformá-los em crianças perfeitas;

Mas também nos demoniza por não querermos  ser dessas pobres coitadas que doam a própria vida (no sentido mais amplo que possa haver) pros seus filhos e pra “familia tradicional” ;

E acima de tudo, colocam na nossa cabeça desde sempre, o tal do “espírito maternal”, fazendo-nos acreditar que independente de não termos a mínima vocação, interesse ou simpatia por crianças, que parir é algo que temos que fazer em nossas vidas.
Acima de tudo, quão demonizadas somos quando optamos por NÃO TERMOS FILHOS?

download (1)

E acreditem, todas essas pessoas sempre prontas a nos enfiar goela abaixo a porra do padrão comportamental feminino, não estão interessadas em povoar a mundo com a porra das crianças. Nãoo, nunca!

O que incomoda nessas pessoas é a liberdade da mulher, a autonomia, a situação deliciosa de não dever nada pra ninguém, de só pertencer a si mesma, de ser livre pra exercer sua sexualidade no sentido mais amplo que se possa haver. E não se enganem, o que ninguém diz sobre ter filhos , é que na realidade e assim como diversos outros padrões comportamentais ridículos, a pressão pra que sejamos mães, é apenas mais um modo de oprimir, manipular e cercear a mulher, criando mais uma amarra que a impeça de exercer sua liberdade , sua feminilidade da forma mais plena possível.

Sim, filhos são isso: Amarras, mais uma amarra dentre tantas outras que a sociedade já usa pra nos foder.

Portanto, sou a favor do aborto sim.
Se nós  mulheres não queremos ter um filho;
Se nós  mulheres não temos condições de sustentar um filho;
Se nós  mulheres não gostamos de crianças;
Se nós  mulheres  não temos condições psicológicas pra gerar um ser humano de forma digna e idônea;
Que não tenhamos uma criança!
Nossas vaginas!
Nossos corpos!
Nossa renda comprometida!
Nosso psicológico despreparado!

Nossa Felicidade de forma plena!

Nossa vida!

Que interrompamos um algo que poderá vir a ser humano, do que comprometer a nossa vida, e a vida do ser humano que que poderíamos vir a trazer ao mundo contra a própria vontade, unicamente porque um monte de gente que não paga as nossas contas, disse que deveríamos fazer.
Aliás, se as pessoas tivessem mais consciência e não fossem tão moralistas, tão submissas, tão pouco questionadoras, repensariam seus papéis e não gerariam crianças que não têm condições pra criar e educar.

BynsGaUIQAA6B-s

A mesma sociedade que condena o aborto, é a sociedade que marginaliza  e ignora crianças abandonadas, é a mesma sociedade que desumaniza a mulher e a diminui à condição de máquina geradora de bebês.

E você mulher,que escolheu ter seus filhos, ainda que em seu íntimo não os desejasse ,e NÃO OS PLANEJASSE;

Você mulher, que engravidou de um traste de homem que não sustenta e nem mesmo se faz presente para seus filhos;

Você mulher, que mal chegou aos 30, tem várias crianças e ganha um salário de merda que mal dá pra subsistência de sua prole;

Você mulher que não teve a coragem de ousar seguir um rumo diferente daquilo que impuseram pra você;

Não ouse criticar quem tem a coragem de ser dona de si mesma e exercer a liberdade de escolher NÃO !

NÃO SEREM MÃES!


E vão por mim, vocês com suas vidinhas medíocres, escravas de seus pimpolhos, vítimas das críticas da vizinhança por não terem tempo pra educá-los…

Sinto decepcioná-las mas não… Você não são invejadas

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s