Corações de reserva.

 

ATcAAABGX_yo7grTpSHaObAsO9G70TO68wf0F5O_c-HCJTSFsj3VhOjq1sCjs6og2nksEBwSLbG7vqM6EusGUZiDI5G9AJtU9VBHCcMARES3TMqAu8ui6hEuY043Xg

 

E foi dito Adeus mais uma vez.

Quem ouviu não se incomodou, não por saber que o Adeus duraria dois, talvez três meses, e sim porque já não fazia diferença de fato. Tinham se perdido um do outro há tanto tempo que ir ou ficar não era importante, já não influenciava em nada.

Até mesmo o ” Você não me acrescenta nada”, não despertava ódio, rancor ou tristeza. Era sabido que não se acrescentava nada mesmo, era sabido que o outro já não importava.

Mas eis que passavam-se os meses e um tratava de procurar o outro. Não porque sentiu saudade, não porque precisava do outro, tampouco porque constatou-se que sim, o outro fazia diferença…

A verdade é que às vezes aquela prateleira de corações ficava ligeiramente vazia, e era conveniente pra ambos resgatar aqueles que jamais seriam resgatados, apenas para fazer números, apenas para dizer pra si mesmos que em caso de solidão iminente, haveria aquela pessoa pra quem ligar, mesmo que ambos soubessem lá no fundo da alma, que em caso de solidão iminente, na verdade amargariam sozinhos mesmo, porque qualquer situação seria mais confortável do que a solidão a dois, do que o tédio e a previsibilidade do outro, que indo e voltando, ano após ano, não trazia em si nenhuma novidade, e ainda que trouxesse, não interessava.

E as coisas não poderiam ser diferentes, nada de novo, pois eles continuam os mesmos.

Inseguros como sempre, fingindo personagens mal feitos, apenas pra mendigar um monte de nada, algo que não fazia a mínima diferença.

Uma opinião, um amor, uma presença…Descartável, tudo descartável.

Juras, promessas de amor, intensidade mal fingida, ressentimentos, brigas forjadas, um monte de nada.

Um monte de nada…

Mas a paixão não se forja, e paixão por paixão não se disfarça.

Sem perdão, porque não existe mágoa suficiente, nem amor suficiente, nem desejo suficiente.

Promessas fake pro futuro, garantia de que pertencem um ao outro hoje e pra sempre, e o fatídico Adeus, que nunca é Adeus de fato, e já não ajuda alimentar um amor pela paixão.

Pois nem é amor, nem é paixão. Só dura enquanto o estoque de corações estiver baixo, e ainda que seja o único coração disponível, será descartado, pois já foi usado à revelia e não desperta mais desafio algum.

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s