O monte de nada

Nem lembro há quantos anos não via, mas ainda lembro da última briga.

Voltou quando eu achei que nunca mais viria, me culpando por atitudes de um relacionamento que nunca tivemos.

Éramos tão iguais, e a única coisa que tínhamos em comum era o idioma falado:

Nos entendíamos mas não nos compreendíamos.

Éramos totalmente diferentes, ligados exatamente pela mesma mágoa, pelo mesmo ódio…Relembrando algo que nunca foi, que já prescreveu, que  acabou, que já não é.

el-beso-de-los-amantes-rene-magritte

E somos os mesmos de sempre, mas já não nos reconhecemos.

Não é que os sentimentos mudaram, talvez jamais tivessem existido, as intenções também, o tempo passou e nada tem volta. Não tem volta.

E então porque continuamos aqui, discutindo o que não foi e nem nunca vai ser?

Pra quê o ódio sobre nada, a mágoa sobre o que não existe? Sobre o que não é?

Porque voltou, se já vai embora ?

Vai continuar tudo mal resolvido

Mas o que há pra resolver se não foi nada?

Ah as coisas… Nem mal, nem resolvidas, nem são.

Adeus.

Até logo…

Até nunca mais…

Até um dia…

E não foi nada, nem amor, nem sexo, nem mágoa, nem algo que valha a lembrança, o desgaste e o sentimento.

E então por que dói?

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s