Véi, na boa…Tucanaram o Rock N Roll…

Ouso dizer sem medo de errar, que o Rock n Roll é o estilo musical que mais despertava paixão em seu público. Era quase(isso se não era de fato), uma religião, um estilo de vida.

Punk_rockers_by_Acharai

Ano após ano o estilo foi se transformando, se diluindo, criando novas vertentes, e porque não dizer que o Rock n Roll não só fez história, como também contou história. A história de gerações e gerações.

Tem até cientista por ai dizendo que quem curte Rock é mais inteligente. Tem até empresas que valorizam mais funcionários rockeiros pois são mais dedicados, inteligentes e íntegros, e atire o primeiro vinil aquele que não expandiu a mente, que não se tornou uma pessoa menos alienada, mais politizada e contestadora à partir das letras do bom e velho Rock N’ Roll.

Negue aquele que nunca ponderou, se revoltou, se deprimiu com a realidade atemporal e desconsertante daquilo que é cantado no nosso Rock Progressivo,Heavy Metal, Crossover, Punk Rock, Harcore, Doom Metal…

Legal, não é?fffddf

Sim, bem legal.

Mas eis que a mídia subverte tudo, e aquilo que antes era o som do protesto e da contestação, de repente virou quase um símbolo do politicamente correto. E não haveria nada de errado no Rock ser vinculado ao politicamente correto, se não tivesse também sendo vinculado a uma certa superioridade intelectual, a uma cultura diferenciada, cultura destinada àqueles que podem pagar pra consumi-la. Sim senhores, aquele som sujo e mal tocado que surgiu dos guetos da Inglaterra e dos Estados Unidos, que era o som dos excluídos e discriminados, se converteu simplesmente no som que a Burguesia consome, e se antes  o Rock N Roll era uma espécie de culto reservada a uma minoria de rebeldes que se aventuravam em clubes do gueto, hoje em dia , consumir o Rock N Roll denota um status e uma ascensão social nunca dantes experimentada.

Os ingressos de show a trezentos reais, estão ai pra não me deixar mentir o quanto a cara do Rock mudou. Se antes as pessoas pegavam seu jeans rasgado, aquela camiseta velha, que outrora foi preta e que hoje já não possui cor, se antes  a avó tinha vergonha do neto rockeiro, a mãe queria exorcizar, o pai queria mandar pro colégio interno, hoje em dia, curtir o bom e velho Rock n’ Roll é quase motivo de orgulho, é motivo pra que os pais se sintam seguros, pois já não existe contestação, já não existe rebeldia. Curtir Rock n’ Roll nos dias atuais é sinônimo de passar duas horas buscando na frente do espelho, um visual arrojado, forjadamente descolado, colocar aquele óculos de sol do preço de um salário mínimo, cortar o cabelo daquele jeito que já foi esquisito e hora foi cool, acender um cigarro e fumar com ar Blazé, com uma cerveja na mão, totalmente alheio ao som que tá rolando no festival, pois a realidade é que embora ainda exista muita coisa pelo que lutar, estamos confortavelmente sedados, personagens convenientemente criados, bem aceitos, na moda antimoda, sim, aquela que nos faz perder muito tempo pensando sobre aparências e nos alienando do total significado.

images (2)

O Rockeiro de hoje em dia, posta quinhentas fotos no Facebook, naquele festival que ele vai só pra reafirmar estar no topo da cadeia alimentar econômica, e faz questão de criticar funkeiro, como se o simples fato de curtir Rock n’ Roll, fizesse dele uma criatura diferenciada. Ele não esqueceu que em outras épocas, o próprio Rock N’ Roll lutou pra conseguir aceitação e espaço, ele não parou pra pensar que também está assumindo um comportamento de rebanho sem sequer questionar o motivo pelo qual usa aquelas roupas, ouve aquelas músicas , sem sequer analisar o que ele defende, porque ele defende e se aquilo realmente tem coerência com o que ele realmente é.

Curtir Rock n’ Roll não mais é estar á margem da sociedade. Curtir Rock n’ Roll é o status com o qual sonhamos, é a normalidade, pois até uma rebeldia teatral está na moda, e do jeito que as coisas andam, o melhor modo de transgredir de fato, é sendo normal, porque de alienados por alienados, de falta de contestação por falta de contestação, estamos no mesmo barco.

ovelhas

Pagodeiros, Funkeiros, e nós pagando trezentos reais por mês pra participar de festivais e ver bandas que descobriram no Brasil um novo modo de extorsão e de sair do ostracismo. Quase acredito que as bandas que têm tocado aqui com a mesma frequência das bandas nacionais, de fato estão assim no auge, mas não precisa ir muito longe, e nem de um espelho muito apurado, pra notarmos o quanto nos afogamos na nossa própria vaidade, como nos transformamos naqueles cidadãos de bem conformados que antes eram tão criticados pós nós mesmos, e o quanto esquecemos do real significado e da real rebeldia que existia no Rock n’ Roll e assumimos a postura de filhinhos mimados, que antes se rebelavam, e agora estão adorando o papel de destaque que a mídia e a sociedade nos deu, nos fazendo esquecer inclusive, de como chegamos até aqui.

ovelhas

 

 

É engraçado como  na nossa busca desesperada pra sermos ouvidos, como na nossa busca desesperada pra mostrar que nós somos diferentes entre si, nos tornamos assim, pateticamente tão iguais àqueles que criticávamos.

De imagens que enchem a alma, mas vazios de sentido.

 

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s