Pro inferno com seu romantismo!

Ah o romance !

download (6)

Aquele que transforma o mundo monocromático em colorido, que nos faz rir à toa, que nos faz ver flores no mundo e nas pessoas , pássaros na vida e borboletas no estômago…

Sim, o romance que nos faz ver beleza no mundo e tolerar os defeitos das pessoas, o romance que nos faz ter fé e que nos faz amar…

…E quando a gente está apaixonado,todo defeito é tolerável. Quando o amor passa, nenhuma qualidade é boa o bastante,

Mas às vezes a paixão acaba mas o romance continua, a  pessoa começa a enxergar os defeitos do outro,e daquela pessoa que ela idealizou e colocou num pedestal, surge um ser humano real, com defeitos e manias irritantes, vão- se os passarinhos e as músicas irritantes dos contos de fadas, acaba-se o paraíso e os sonhos , e o pesadelo começa… Pro ser amado, evidentemente, não pro romântico, porque o romântico nunca perde a fé, ele sempre acha que custe o que custar, as coisas sempre serão exatamente como ele deseja que sejam, e isso não haveria de ser ruim, se este romântico não tivesse lidando com pessoas e com sentimentos, sim sentimentos dos outros, os românticos passam tanto tempo olhando pra si mesmos, pro que desejam e precisam, que simplesmente esquecem dos universos ao redor deles.mamulengo

As pessoas românticas são um saco, elas idealizam uma realidade na cabeça delas, e tudo que foge daquilo as frustra, e dificilmente sabem lidar bem com a frustração, sempre acham que a outra pessoa tem que corresponder às suas expectativas e anseios e seguem isso a ferro e fogo, e é aí que as coisas complicam, pois o romântico começa a cobrar o parceiro por mudanças que nunca ocorreram, dizem eles ” Você mudou, você não era assim”, mas a realidade é que o outro não mudou, o que mudou foi o referencial do romântico sobre seu “objeto” de adoração, o romântico estava tão ocupado numa realidade enfeitada, colorida, com pássaros cantando e flores por toda parte, que simplesmente esqueceram de enxergar o mundo real, esqueceram de olhar pro outro com seus defeitos e qualidades e amá-los por isso.

O problema é que quanto mais se muda por um romântico, mais o nível de exigências aumenta, e maiores são os caprichos e vaidades, primeiro diz respeito  à personalidade, em breve diz respeito a comportamentos e quando menos se espera, a vítima de um romântico, se transforma em uma pessoa totalmente diferente do que era antes de conhecê-lo, perde-se o bom senso sobre a exigência e nenhum dos dois se satisfaz, porque a pessoa vira vítima da insatisfação do outro, e essa insatisfação nem sempre diz respeito a ela, mas sim do romântico com ele mesmo.

O romântico costuma ser tão arrogante e egocêntrico, que quando percebe que o outro tem um defeito, não se concentra em lidar com isso, em aceitar isso, se concentra em criticar, infernizar,   atacar o ser “amado” com cobranças e exigências, fazendo chantagem e dizendo que ” se a outra pessoa corresponde ao amor dela, precisa mudar algumas coisas”, mas em momento algum olha pra si, pro próprio defeito, e tem a sensibilidade de ver que o outro não tem nenhuma obrigação de mudar em si, aquilo que é da própria essência, aquilo que não a incomoda, em nome do capricho de quem está do lado dela.

O Romântico não muda uma vírgula de suas vaidades e caprichos, mas ele acha que a outra pessoa tem que corresponder exatamente à projeção que ele criou.

Quando o outro se cansa e profere a velha frase ” se está incomodado, que se mude”,images (12) o romântico acusa o parceiro sem dó, de tratar os outros como mera mercadoria, que é substituída assim que dá defeito, por uma melhor e mais segura, mas não percebe que ele próprio trata a pessoa que diz amar, como se fosse um objeto,um fantoche montado pra ser e fazer exatamente aquilo que ele deseja.

O romântico enaltece o amor de sacrifícios, mas não consegue enxergar é que o único sacrifício, quem faz é quem está ao lado dele, aturando vez após vez, uma série de exigências de pessoa mimada, que não sabe lidar com as diferenças, que diz amar, mas transforma a vida do outro numa verdadeira luta em que é necessário bater o pé diariamente pra continuar sendo exatamente quem se é, sem a intervenção do outro.

A  realidade é que não devemos pedir dos outros prova de amor de nada, cabe a cada um, definir até onde vale a pena mudar em si, o que incomoda o outro, e a decisão de ser submisso e acatar certas críticas, é individual. Sim, mudar em nome dos caprichos do outro é uma bela prova de amor, e o mesmo não consigo dizer de quem diz que ama, que quer o melhor do outro, mas transforma o cotidiano do casal num inferno, em busca de mudanças muitas vezes impraticáveis.

Num mundo de pessoas substituíveis e descartáveis, embora mais chocante, me parece muito mais sincero e justo quem não consegue lidar um defeito alheio,partir pra um próximo relacionamento, do que aquele que diz amar, mas passa a vida toda tentando configurar aquele que esta ao seu lado.

 

Anúncios

2 comentários

  1. impressionante… vi um retrato do meu último relacionamento nesse texto. embora ainda pense que ela padecia dessa tríade (na verdade um acarreta o outro) insegurança-ansiedade-controle, o romantismo aqui descrito, e piegas, convenhamos, acaba inserindo uma nova ótica. quisera eu ter lido isso anos atrás. teria me ajudado um bom bocado.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s