Perfeitos estranhos

“E ela disse adeus…
Não porque queria, mas pra responder o adeus que ele disse.
E ela esperou ele voltar dizendo que estava tudo errado…
E os dias viraram semanas,e as semanas viraram meses e ele não admitiu nem pra si mesmo que não tinha sido tão certo quanto achava que tinha sido.
É provável que ele sequer tenha ponderado, provável que sequer se lembrava, nem do fato e nem dela.

E ela esperava…
E esperava até que pouco a pouco ele passou a ser uma lembrança de uma época tão boa que ela sequer estava certa se era de verdade ou devaneio;E de vez em quando ela o vê por ai e não tem certeza se ele já foi dela ou se ela viveu um sonho íntimo com alguém com quem nunca conversou…
E a dor diminui gradativamente ,e os fatos que provavam a história de ambos viraram dúvida,e tudo ficou tão perdido no passado…
E ela sente uma saudade quase instintiva, que a essas alturas parece saudade do que ainda não veio.
E vez ou outra ela revira o baú dentro do próprio coração nem que seja pra se lembrar que de fato aconteceu e que a vida dela já foi tão excitante quanto ela lembra que era, e que ela já teve um amor pra vida toda que só durou algumas semanas”

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s